Fábio Francisco - Normal é ser diferente! E ser deficiente é o que?

Atualizado: 3 de mai.


Ser ou não ser? Essa não é a questão. Não se escolhe ser. Apenas “Condiciona”. Condições que abrange tantas outras formas, homossexualidade, deficiente físico, deficiente auditivo, Síndrome de Down, obesidade, negro, que fogem dos parâmetros sociais. Diferenças que impacta a realidade. Normal é ser diferente, mas ser deficiente, ou qualquer outra forma citada, é diferença de mais. Assim acham!!


Enquanto a deficiência é um obstáculo a ser ultrapassado, rotulam os tais como por igual. Ter uma deficiência aos olhos de muitos é ser inválido, caquético, com varias doenças, triste, desprezível, “ser” dependente por toda via. Tristes pensamentos, tristes rotulações. Já não basta ter uma deficiência, já não basta ser analisado e reprovado por peritos, já não bastam ser de difícil acesso seus processos e direitos, a sociedade ainda assim contrapesa com uma posição de quer ter uma vida normal já não te designa um deficiente, pois foge das suas rotulações.


Sociedade conhecedora e educada para a Invalidez. Choque de realidade! Superação! Assusta ao quebrar o “elo invalido”, caracteres assim seguidos, constrange o próprio deficiente a exigir os seus direitos como cidadão. Cursar áreas de trabalho que lhe tragam uma atividade motora constante formula perguntas consecutivamente e rápidas nas mentes sociais: Como?! E ele pode fazer?! Não tem nenhuma lei que o proíba?! Alguma retificação que o impeça de fazê-lo?! Mais ele não é deficiente? E pra sociedade vale perguntar: A onde está escrito? Deficiente é proibido de trabalhar, fazer atividades físicas, construir vida social que fuja dos paramentos exigidos da sociedade e pela sua deficiência!!


A realidade é outra, mais a visão continua sendo a mesma, mesmo tendo tantos exemplos de deficientes que quebram esse tabu, paraolímpicos que conquistam medalhas e sustenta seu pódio, Clodoaldo Silva, cantores com deficiência visual, Kátia Garcia Oliveira 70/80, dançarinos cadeirantes, Grupo Corpo em Movimento, e tantos outros que demonstram, e provam que ser deficiente também é normal.


A sociedade se esconde entre ser social e cria em seu consciente de que “tem preconceito de ter preconceito”, frase de Jean Wyllys Deputado pelo PSOL/RJ, pois ter preconceito também foge do que a sociedade inconstante exige. Levantar, sacudir a poeira e dá a volta por cima, está sendo pouco pra uma sociedade que não tem atributos de um mundo meramente diferente.

0 comentário