Thaynara Oliveira - Mitos e verdades sobre a saúde íntima, sexual e reprodutiva da mulher


Existem diversas especulações sobre a saúde da mulher que, por diversos motivos, sobretudo culturais, acabam se tornando pseudoverdades, quando na verdade não passam de mitos.


O acesso às informações sobre o tema, por muitas vezes, se não pela maioria das vezes, é obtido por meio de amigas, de comadres, das mães, das avós, do “Dr Google”... E o que tem de errado nisso? A priori, não necessariamente um erro. Isto quando as afirmativas não são historicamente reproduzidas, sem respaldo científico, causando excessos desnecessários, bem como as famosas auto medicações.


Vamos, então, tentar desmistificar algumas afirmativas sobre saúde da mulher rotineiramente apresentadas no dia-a-dia? Leitor (a), sugiro que leia atentamente cada afirmativa e tente responder sozinho(a) antes de prosseguir o texto. Vamos testar seus conhecimentos?


- Lavar os cabelos menstruada faz mal à saúde.


MITO! Certamente alguma mulher mais velha de seu convívio já deve ter feito essa afirmativa. Mas devo dizer que não há nenhuma verdade nisso. Menstruada ou não, a lavagem dos cabelos, bem como a higiene íntima regular não traz nenhum malefício à saúde da mulher.


- Dormir sem calcinha é bom para a saúde íntima.


VERDADE! Mas não precisa ser uma regra, algo obrigatório. Se você não se sente bem e confortável em dormir sem calcinha, tudo bem. Porém, se você conseguiu adquirir esse hábito, você está propiciando a sua região íntima mais troca de ar, facilitando o equilíbrio da flora local e consequentemente reforçando as defesas contra possíveis infecções.


- O exame preventivo, também chamado de citologia, lâmina ou Papanicolau, não pode ser feito durante a menstruação.


VERDADE! Para a realização do exame, além da coleta de secreções em torno do colo do útero, são observadas as características de todo o entorno da vulva, da vagina e do colo uterino. Dessa forma, com a presença de sangue na cavidade, fica praticamente impossível a sua realização, anatômica e histologicamente falando.


- Ainda falando no exame preventivo, para realizá-lo, é preciso depilar toda a região íntima completamente.


MITO! A presença ou não de pelos pubianos não interfere na realização do exame. O exame é realizado após a introdução do espéculo no canal vaginal, com a coleta INTERNA do material necessário para estudo. Dessa forma, a depilação ou não da região íntima é indiferente. Entendam que seus pelos não são importantes para os profissionais de saúde que vão executar o procedimento. Seus pelos (completos, aparados ou totalmente retirados) são uma opção sua e não há nada de errado nisso.


- O uso de sabão de coco na lavagem da região íntima ajuda a prevenir e combater infecções.


MITO! O sabão de coco e a maioria dos sabões em barra comuns possuem o PH alcalino, predispondo ao ressecamento da região íntima e, consequentemente, facilitando o desequilíbrio da flora vaginal, podendo ser fonte de futuras infecções. Além disso, propiciam o surgimento de alergias e/ou dermatites, visto que se trata de uma área em que a pele é extremamente sensível.

O sabão ideal para a higiene íntima são os neutros ou a base de glicerina. É importante ressaltar que o excesso de lavagens, sobretudo com higienização mais interna, pode ser prejudicial, visto que desequilibra a microbiota. Uma outra dica importante relacionada ao uso de sabão na prevenção de infecções vulvovaginais: lavar as peças íntimas com sabão neutro e se certificar de que não ficou excesso de sabão, levando-as para secar ao sol (NUNCA NO BANHEIRO!).


- Mulheres que usam anticoncepcional por longos períodos têm mais dificuldade para engravidar.


MITO! O mecanismo de ação dos anticoncepcionais se dá apenas durante seu uso, não é cumulativo e não interfere na fertilidade da mulher por toda a sua vida. Após a interrupção do uso a mulher está apta engravidar.


- Nem toda coceira na região íntima é candidíase.


VERDADE! Sem dúvidas a candidíase é uma das principais causas de prurido vulvar, contudo não é a única causa. Outras causas de coceira na vulva são líquen, infecção por tricomonas, câncer de vulva, dermatites, dentre outras. Qualquer desconforto dessa natureza deve ser avaliado por um médico para instauração de tratamento adequado. Nada de se auto medicar, ok?!

- Fazer xixi após as relações sexuais ajuda a prevenir infecção urinária.


VERDADE! A uretra feminina possui uma anatomia que facilita o desenvolvimento de infecções, principalmente porque é curta (cerca de 4 a 5 cm) e porque fica totalmente exposta. Como o ato sexual é uma atividade de intensa troca de secreções, urinar logo após o término ajuda a mobilizar os possíveis germes presentes na região íntima para que eles não adentrem na cavidade e gerem infecção. Outra dica para a mulherada evitar infecção urinária é a higiene de toda a vulva logo após a relação sexual com sabonete glicerinado.


- Usar roupas muito apertadas predispõe o surgimento de corrimento vaginal.


VERDADE! O uso rotineiro de roupas muito apertadas dificulta a troca de ar da região íntima, aumentando a temperatura, o suor e o acúmulo de secreções, o que, a longo prazo, ou em curto prazo nas mulheres com maior sensibilidade, propicia o surgimento de infecções vaginais que cursam com corrimento. O uso de calcinhas de algodão, de calças com tecidos mais leves ou de vestidos e saias são boas opções para evitar esse desconforto.


- Se o primeiro parto for cesárea, os demais serão obrigatoriamente cesáreas.


MITO! O que define o tipo de parto é a condição clínica da mãe e do bebê. Caso não haja nenhuma contraindicação, mesmo a mulher já tendo um parto cesárea prévio, o parto seguinte pode ser normal/vaginal sim.


Espero, sinceramente, que esse texto tenha sido útil e esclarecedor para você, caro (a) leitor (a). Ficou com alguma dúvida sobre o que foi colocado ou tem uma outra dúvida sobre a saúde da mulher? Mande seu questionamento através das plataformas de comunicação do Malhador em Foco (site ou Instagram). Será um prazer respondê-lo! Lembrando que as informações são meramente informativas e não substituem a consulta médica com o profissional de sua confiança. Certo?!


Até a próxima!

Thaynara Oliveira Médica - CRM/SE 6070 * o texto acima é meramente informativo e não substituiu a consulta médica.

0 comentário

1/3

1/3

1/3

Malhador

1/3

1/3

1/3

1/3